Publicado em Emoções

A Arte do Orgulho

“ Se o seu inconsciente pudesse falar conosco, nos diria: “Prefiro ter um espinho cravado no coração e habituar-me ao ardor de sua pontada a suportar o tormento da angústia. Prefiro me resignar a sofrer de uma vez por todas a ser torturado pela incerteza.”

Como se todo o seu ser, impregnado de tal amargura, se manifestasse em sua atitude reservada, um pudor, uma certa timidez quase física, que está mais perto do orgulho do que supomos, e sua irresistível tendência a essa solidão que ele encontra todos os dias quando senta diante do seu cavalete, as tintas espalhadas pela paleta. E por trás da amargura, detectamos, como nos melhores homens, um fundo de maldade, até mesmo de agressividade. Quando infelizes as criaturas não raro tornam-se acrimoniosas. Por trás da acrimônia, discernimos um pouco de egoísmo e, por trás do próprio egoísmo, alguma coisa mais azeda ainda, um certo pessimismo que vai se intensificando com a idade. Valloton sentiu muitas vezes sozinho e experimentou todos os modos da solidão. Solitário pelo caráter, por sua origem estrangeira; por sua probidade; pelo orgulho de seu rigor, pela inflexibilidade de seus princípios e opiniões; por sua arte, isto é, pelo que exigia de si mesmo.” 9 Lições Sobre Arte e Psicanálise – J.-D Nasio, Zahar.

 

Anúncios

Autor:

Terapeuta floral, terapeuta homeopata, iniciada no ReiKi, nos códigos arcturianos, nos cristais, nas cores, no chacra do coração...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s