Publicado em Emoções, Poesias, Sagrado Feminino

Cinza e Vermelho

Enquanto perdura essa teima, o querer

saio em viagens de novas paisagens, outras colheitas

uma estrela aqui, uma pérola alí, o mar aponta

e eu caminho sem pretensão, ciente do naufrágio à minha espreita

As vezes dias morenos, de Sol aquecidos

resvalam na ilusão da noite intensa e envolvente

pariram uma manhã seguinte, eu mentindo renascido

calada a verdade do coração dormente

Disseram que a sina do botão é se abrir

e no despir-se do mecânico frio, cinza, gelado igual neve

que a forma aveludada finalmente se abra e se revele

na mais perfeita rosa, em sua nobreza vermelha, com seu afago morno

leve, leve, leve

Márcia Cristina Nogueira

 

Anúncios

Autor:

Terapeuta floral, terapeuta homeopata, iniciada no ReiKi, nos códigos arcturianos, nos cristais, nas cores, no chacra do coração...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s